Inadimplentes levam mais de um ano para limpar o nome, aponta pesquisa CNDL/SPC Brasil

Apesar de encerrada a crise econômica, o brasileiro ainda sente seus efeitos e enfrenta dificuldades em limpar o nome. É o que revela pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).
Os dados mostram que, em média, foram necessários 14 meses para o pagamento das dívidas responsáveis pela negativação de seus CPFs.

Na hora de quitar as contas responsáveis pela negativação, os maiores obstáculos encontrados foram obter um bom desconto no valor total da dívida e negociar prazos e formas de pagamentos, enquanto outros disseram não ter conseguido renda extra para quitar os compromissos em atraso. Entre os motivos que impossibilitaram o pagamento dessas contas estão a redução da renda, a perda de controle dos gastos e o surgimento de imprevistos.

Ao investigar as dívidas que levaram o brasileiro a ficar com nome sujo, o estudo aponta como principal vilão o cartão de crédito. Em seguida aparece o crediário, os gastos com telefone fixo ou celular.

Diante de um cenário desfavorável do ponto de vista das finanças, a maioria dos ex-inadimplentes ouvidos pelo estudo adotou como estratégia a busca por recursos financeiros para regularizar as contas em atraso. Entre as medidas citadas, destacam-se os cortes no orçamento, o dinheiro do 13º salário, os “bicos” para gerar renda extra e o uso de reserva financeira, como poupança e outros investimentos.

Fonte: SPC Brasil